.:GESE:.: TRANSPLANTE HEPÁTICO : Projeto entre empresa e presidio do Paraná arrecadam fundos .

Adicionado 13/07/2012

quinta-feira, 28 de março de 2013

TRANSPLANTE HEPÁTICO : Projeto entre empresa e presidio do Paraná arrecadam fundos .

Risotolândia arrecada para o setor de transplante hepático do HC do Paraná

Através de uma importante parceria com a Secretaria de Justiça e Cidadania do Paraná e com a UFPR, a Risotolândia – empresa paranaense especializada em refeições coletivas – já arrecadou mais de R$ 10 mil ao setor de Transplante Hepático do HC (Hospital de Clínicas do Paraná). A iniciativa faz parte do projeto Gralha Azul, criado em 2004 com o objetivo de plantar 15 milhões de mudas de pinheiro Araucária até 2022.

A Risotolândia paga pela mão de obra dos detentos da Colônia Penal Agro Industrial do Paraná em Piraquara (CPAI). A UFPR, representada pelo especialista Flávio Zanette, é responsável pela distribuição dos pinheiros. A CPAI, por sua vez, oferece o espaço, as mudas e, junto com a SEJU, divulga o projeto.
Segundo Flavio Zaneti, o programa já arrecadou mais de R$ 10 mil ao HC, referente à safra de pinheiros de 2011. “Depois de prontas, as mudas são distribuídas sob nossa orientação. Nós fazemos o contato com os interessados, que, para acima de 50 mudas, pagam o valor simbólico de R$ 1 por pinheiro para que possamos reverter ao Hospital, que tem uma conta própria para esta finalidade”, explica o professor da UFPR.
Preocupações
O projeto, que conta com a mão de obra dos detentos da CPAI, além de contribuir com a saúde no estado, preservar o meio ambiente e reflorestar Araucárias, também tem como foco a ressocialização de detentos. A cada três dias de trabalho nos canteiros do Gralha Azul, eles têm um dia reduzido na sua pena. A Risotolândia paga para cada um deles 75% do salário mínimo nacional. Atualmente, 10 homens trabalham no projeto. Vale ressaltar que a empresa também tem outros 52 detentos trabalhando na sua sede, em Araucária (PR), através de outro programa chamado Liberdade Construída. Até hoje, 17 ex-detentos foram efetivados pela empresa.

“A preocupação com a cidadania e a natureza sempre foram prioridades na nossa empresa. O pinheiro Araucária, além de produzir madeira, também gera alimento, e isso precisa ser repensado por todos. Acreditamos que para bem atender os nossos clientes é preciso muito mais do que refeições saudáveis e seguras, é preciso ir além e garantir qualidade de vida às futuras gerações”, comenta o diretor superintendente da Risotolândia, Carlos Humberto de Souza.
Além dos programas sociais, a Risotolândia também passou a fornecer em setembro deste ano alimentação aos presos da Colônia Penal em Piraquara. Segundo o diretor geral da CPAI, Ismael Salgueiro Meira, a parceria já mostra bons resultados.
“Conforme previsto em contrato, a alimentação dos detentos chega na hora certa, com a quantidade e peso correto. Todos os dias são feitas inspeções para avaliar as refeições, que sempre seguem determinados padrões de higiene e qualidade. Nunca tivemos problemas com este serviço e estamos otimistas com a novidade. Ficamos tranquilos em saber que temos ao nosso lado um parceiro sempre disponível”, complementa o diretor.


A nossa alma escapou , como um pássaro do laço dos passarinheiros  ; o laço quebrou-se , e nós escapamos.     SALMOS 124/7

Nenhum comentário:

Postar um comentário