.:GESE:.: DEUS E JUSTIÇA: Policiais que eram acusados de participar da morte de PC Farias são absolvidos.

Adicionado 13/07/2012

sábado, 11 de maio de 2013

DEUS E JUSTIÇA: Policiais que eram acusados de participar da morte de PC Farias são absolvidos.

Um dos policiais militares que faziam segurança particular de PC Farias procurou atribuir a Deus o resultado do júri que o absolveu, na noite de sexta (10), da acusação de participação nas mortes de Suzana Marcolino e do tesoureiro da campanha presidencial de Fernando Collor. “Quem tem fé e Deus no coração está imune a qualquer tipo de injustiça”, afirmou o terceiro-sargento Josemar Faustino dos Santos, que é evangélico.

Os quatro seguranças eram acusados de homicídio por, no mínimo, terem sido omissos ao não evitarem as mortes. Em 1996, quando mortos, PC Farias tinha 50 anos, e Suzana, 28. Eles foram encontrados com um tiro cada, na cama, na casa de praia do empresário, em Maceió. “A justiça foi feita. Deus é justiça e os olhos do Senhor estão atentos a tudo que se passa na terra”, afirmou Gilcicleide dos Santos, irmã de Josemar.

“Foi mais um degrau que subimos em direção à justiça”, disse Nailde Alves, mulher do primeiro-sargento Reinaldo Correia de Lima Filho. Ela disse que as absolvições “já eram esperadas”. Um dos outros acusados, o policial Reinaldo de Lima Filho afirmou que foi a “vitória da verdade”. “Estamos de alma lavada.”

Emocionados, o primeiro-sargento Adeildo Costa dos Santos e o cabo reformado da PM José Geraldo da Silva disseram apenas que estavam felizes e que a justiça havia sido feita. Como estavam de plantão na noite do crime, os jurados consideraram que eles foram omissos ao não terem evitado os crimes, mas acabaram os absolvendo por “clemência”. A mulher de Adeildo passou mal após a divulgação da sentença. Precisou ser amparada por parentes e retirada do plenário.

Julgamento
Após cinco dias de sessões, o julgamento ainda deixou em aberto questões sobre o caso. Os jurados concluíram que Suzana Marcolino, então namorada de PC, não se matou e depois assassinou PC, como defendiam a perícia de Badan Palhares e a primeira apuração da polícia de Alagoas, ainda em 1996.

Para os jurados, o casal foi assassinado. O principal mistério do caso, contudo, não foi esclarecido - ainda não se sabe quem matou PC e Suzana. Para a Promotoria, que defende a tese de “queima de arquivo”, isso nunca virá à tona.

O juiz responsável pelo julgamento, Maurício Breda, determinou que sejam encaminhadas ao Ministério Público acusações feitas durante as sessões contra o ex-deputado Augusto Farias, irmão de PC.

Dois delegados que apuraram o caso e indiciaram Augusto sob suspeita de autoria intelectual em 1999 afirmaram que um porta-voz do ex-deputado ofereceu suborno a eles. Augusto nega e diz que foram os delegados quem propuseram um acordo em que ele ajudaria a incriminar os seguranças e em troca seria poupado na investigação, o que os delegados refutam.

O inquérito do caso PC contra Augusto Farias acabou sendo arquivado no STF (Supremo Tribunal Federal) por falta de provas, após parecer neste sentido do então procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro. O inquérito tramitou no STF porque ele à época contava com foro privilegiado por ser deputado federal.


TU AMAS A JUSTIÇA E ODEIAS A IMPIEDADE;       Salmos  45/7

Nenhum comentário:

Postar um comentário