.:GESE:.: PROJETO "VISÃO DE LIBERDADE" DA PENITENCIÁRIA ESTADUAL DE MARINGÁ (PR) GANHA MAIS UM PRÊMIO NACIONAL.

Adicionado 13/07/2012

sábado, 24 de maio de 2014

PROJETO "VISÃO DE LIBERDADE" DA PENITENCIÁRIA ESTADUAL DE MARINGÁ (PR) GANHA MAIS UM PRÊMIO NACIONAL.



A secretária da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do Paraná, Maria Tereza Uille Gomes, recebeu da presidenta Dilma Rousseff, nesta sexta-feira (23/05), o Prêmio ODM Brasil pelo Projeto Visão de Liberdade, desenvolvido na Penitenciária Estadual de Maringá (PEM), unidade de regime fechado do Departamento de Execução Penal (DEPEN) da Secretaria da Justiça. A premiação, realizada no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), em Brasília, reconheceu as 30 melhores práticas e projetos sociais, dentre as 1090 inscritas que contribuem para o alcance das metas do milênio e as transformações sociais do Brasil. 

O Visão de Liberdade é uma iniciativa da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do Paraná (SEJU), em cooperação com a Secretaria de Estado da Educação (SEED), e surgiu da necessidade do Centro de Apoio Pedagógico (CAP) produzir material para a alfabetização de deficientes visuais.

Esta foi a terceira premiação conquistada pelo Projeto. Em agosto de 2011, recebeu o Prêmio Cidadania Herbert de Souza e, em novembro do mesmo ano, o Prêmio da Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social.


Realizado por presos dentro da unidade penal, o Projeto tem a proposta de contribuir para a recuperação e reintegração social dos detentos por meio do trabalho em benefício de deficientes visuais, com a produção de materiais didáticos específicos para a inclusão deste público. 

Os apenados que participam do projeto recebem o benefício de remição da pena, que é reduzida em um dia a cada três trabalhados e, também, ganham um pecúlio de R$ 45 por mês. Vale ressaltar, ainda, a possibilidade dos presos de terem acesso ao conhecimento e à cultura.

Por meio do Projeto são produzidos livros em “braille”, material pedagógico em relevo e “livros falados”, em que livros paradidáticos são digitalizados e gravados em Cds com histórias para os alunos cegos. São incluídos, ainda, na produção maquetes e brinquedos adaptados, distribuídos em escolas da rede pública de municípios atendidos pelo CAP. 


Desde que foi criado, em 2004, o projeto já produziu 65.558 trabalhos de material didático em relevo; 381 livros e 48 apostilas digitadas; além de 122 livros falados e 14 apostilas, com tiragem de 150 cópias cada, sendo enviados para todo o Brasil e para a Biblioteca Nacional de Lisboa/Portugal.

Dos 30 vencedores da 5ª edição do Prêmio ODM Brasil, 22 são organizações sociais e sete são prefeituras. Além do Projeto Visão de Liberdade, da PEM, outras duas entidades paranaenses receberam a premiação: a Associação Fênix, de Curitiba, com o Programa de Atendimento à Criança e ao Adolescente (Paca), e o Setor de Educação e Cultura do Hospital Pequeno Príncipe.

ODM Brasil 
– O Prêmio é uma iniciativa pioneira no mundo e foi criado em 2004 com a finalidade de incentivar ações, programas e projetos que contribuem efetivamente para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), cuja agenda termina em 2015. Coordenado pela Secretaria-Geral da Presidência da República, o prêmio tem a parceria do Programa Nacional das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade. A coordenação técnica do Prêmio é de responsabilidade do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e da Escola Nacional de Administração Pública (Enap). 

Em sua 5º edição, o Prêmio ODM Brasil foi entregue no encerramento da Arena da Participação Social, iniciada no dia 21/05, que reuniu representantes da sociedade civil, gestores públicos, pesquisadores, especialistas e convidados internacionais nos Diálogos sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e a Construção da Agenda Pós-2015. Nesse período aconteceram seminários, oficinas e mostra de projetos relacionados aos temas citado. 

As 30 iniciativas vencedoras foram escolhidas por um júri de 16 especialistas de todo o país. Das 1.090 inscrições, 804 foram de organizações e 286 de prefeituras. Do total das inscrições, 65 práticas foram pré-selecionadas e visitadas in loco por um comitê técnico do Ipea e da Enap.

A avaliação foi baseada nos seguintes critérios: contribuição para o alcance dos ODM; caráter inovador; possibilidade de tornar-se referência para outras ações similares; perspectiva de continuidade ou replicabilidade; integração com outras políticas; participação da comunidade; existência de parcerias; e manutenção da qualidade nos serviços prestados.

Porque assim é a vontade de Deus, que, fazendo bem, tapeis a boca à ignorância dos homens insensatos;

1 Pedro 2:15

Nenhum comentário:

Postar um comentário