.:GESE:.: MODELO PRISIONAL DE LEÓN (ESPAÑA) E IMPLANTADO EM ALAGOAS.

Adicionado 13/07/2012

sábado, 20 de setembro de 2014

MODELO PRISIONAL DE LEÓN (ESPAÑA) E IMPLANTADO EM ALAGOAS.

O Núcleo Ressocializador da Capital é uma unidade diferente, inspirada em uma experiência realizada em Leon, na Espanha, e trazida para o Brasil pelo Estado de Goiás. A nova metodologia ficou conhecida como Módulos de Respeito, pois é fundamentada na relação de respeito entre servidor e custodiado. Alagoas foi o primeiro estado do Brasil a implantar o método em uma unidade por completo. A unidade abriga apenas internos condenados, que estudam e trabalham.
Contudo, uma seleção rigorosa faz com que apenas presos com bom comportamento, que nunca tenham participado de motins e que aceitem participar da experiência sejam selecionados. Eles só são transferidos do sistema carcerário comum para a unidade depois de passar por uma avaliação psicológica onde devem mostrar "vontade de mudar de vida".
Diferentemente da maioria das prisões no Brasil, sobram vagas na unidade, que foi construída para abrigar 155 detentos, mas tem atualmente pouco mais de 130. Os detentos não podem usar entorpecentes e todos eles trabalham na manutenção da unidade e em empresas conveniadas. Até presos que cumprem pena no regime fechado são autorizados a sair desacompanhados para trabalhar.
Ao acabarem de cumprir suas penas, os detentos são encaminhados para convênios do governo com empresas, para a colocação no mercado de trabalho.
"Conseguimos baixar o grau de reincidência para 5%", disse Luna.
Porém, a realidade da unidade é muito diferente do restante do sistema prisional do Estado. "É complicado aplicar esse modelo em unidades grandes", disse.

Para dizeres aos presos: Saí; e aos que estão em trevas: Aparecei.

Isaías 49:9

Nenhum comentário:

Postar um comentário