.:GESE:.: Mais de 50 mortos em rebelião na venezuela

Adicionado 13/07/2012

sábado, 26 de janeiro de 2013

Mais de 50 mortos em rebelião na venezuela

Venezuela investiga motim em prisão que deixou mais de 50 mortos

Mais de 90 pessoas ficaram feridas no confronto, diz diretor de hospital.
Polícia conteve protesto de familiares do lado de fora da cadeia.

O governo venezuelano ordenou a investigação de um motim ocorrido na prisão de Uribana, no estado de Lara (noroeste), que, segundo o hospital que atendeu às vítimas, deixou na sexta-feira (25) ao menos 50 mortos, em um dos episódios mais violentos das últimas décadas nas superlotadas prisões do país.
"Há saldos lamentáveis, ocorreu uma situação de confusão trágica que nós lamentamos", disse o vice-presidente Nicolás Maduro ao anunciar a abertura de três investigações por parte das autoridades públicas para esclarecer o que ocorreu.
Policiais retiram presos e feridos da cadeia de Uribana, cenário de um motim que deixou mais de 50 mortos nesta sexta (25) (Foto: Reuters)Policiais retiram presos e feridos da cadeia de Uribana, cenário de um motim que deixou mais de 50 mortos nesta sexta (25)
O governo não forneceu até o momento um número de vítimas, mas, segundo o diretor do Hospital Central Antonio María Pineda, Ruy Medina, foram registrados ao menos 50 mortos e 90 feridos.
"Às 20h locais (de sexta-feira), tínhamos um valor indicativo de 90 feridos, a maioria deles por arma de fogo, com um número verdadeiramente alarmante de pelo menos 50 mortos, que eram os que repousavam no hospital central", disse Medina.

"Desde as 11h da manhã (...) começaram a entrar no hospital central, na emergência, feridos procedentes da prisão de Uribana (...) durante o dia operamos 14 dos feridos, que exigiram cirurgia", detalhou.
Anteriormente, a ministra de Assuntos Penitenciários, Iris Varela, havia anunciado na rede de televisão estatal VTV que uma busca por armas havia provocado um motim de um grupo de presos armados, que "atacaram os efetivos da Guarda Nacional com um lamentável saldo de atingidos", sem informar o número exato.
Entre as vítimas encontram-se presos, efetivos militares e guardiões do centro, disse Varela, que prometeu um relatório detalhado quando as autoridades tiverem o controle absoluto da prisão.
Imagens de meios de comunicação locais mostraram barricadas da Guarda Nacional nos arredores da prisão, réus sendo levados com suas roupas ensanguentadas e familiares dos presos - principalmente mulheres - chorando desconsolados à espera de notícias.
A ação governamental para o desarmamento total dos reclusos começou depois que as autoridades souberam de supostos "ajustes de contas entre as facções internos que disputam o controle do centro", disse Varela, que culpou a rede de televisão privada Globovisión e outros meios de detonar a violência ao divulgar a operação antes que ela fosse levada adiante.
Familiares de prisioneiros protestam do lado de fora da cadeia de Uribana (Foto: AFP)Familiares de prisioneiros protestam do lado de fora da cadeia de Uribana 
Maduro, por sua vez, disse que o governo tomará as "medidas corretivas", ao mesmo tempo em que assegurou que o processo de regularização das prisões vai continuar para acabar com a violência nestes locais.
"Em quem vão jogar a culpa por este novo massacre em uma prisão de nosso país? Governo incapaz e irresponsável", criticou no Twitter o líder opositor Henrique Capriles Radonski, acrescentando que recebeu ligações de familiares dos presos desesperados.
O diretor da ONG Observatório Venezuelano de Prisões (OVP), Humberto Prado, lamentou, por sua vez, que o "Estado venezuelano não tenha assumido até o momento sua responsabilidade no incidente" e tenha, pelo contrário, "culpado os meios de comunicação", lembrando que Uribana encontra-se sob medidas provisórias de proteção da Corte Interamericana de direitos Humanos desde 2006.
"A Corte Interamericana ordenou ao Estado venezuelano que mais nem um interno poderia morrer neste centro, mas, lamentavelmente, o Estado venezuelano não cumpriu e, pelo contrário, ocorre um episódio de violência tão grave", acrescentou Prado à AFP.
Segundo dados da OVP, Uribana foi projetada para abrigar 850 detentos, mas "tem cerca de 2.500 atualmente". Além disso, segundo a ONG a prisão se caracteriza por abrigar os violentos "coliseus", nos quais os presos se enfrentam com armas brancas como diversão e como forma de ganhar prestígio.
As prisões venezuelanas sofrem com problemas de insalubridade, superlotação e violência, e, em muitos casos, são controladas por grupos de presos fortemente armados, que constantemente provocam confrontos internos.
Em agosto do ano passado, ao menos 25 pessoas faleceram e outras 43 ficaram feridas em um confronto entre facções na prisão de Yare I, perto de Caracas.
Em junho de 2011, um sangrento motim na prisão do Rodeo, também perto da capital, deixou cerca de trinta mortos e vários presos foragidos.
Buscando atender aos problemas carcerários, foi criado o ministério dos Assuntos Penitenciários em julho de 2011, mas, segundo ativistas de direitos humanos, no primeiro ano de seu funcionamento mais de 500 presos morreram e ao menos 1.200 ficaram feridos, o que superou os números dos anos anteriores.



Tocai a trombeta em sião ,e clamai em alta voz no meu santo monte ;tremam todos os moradores da terra,porque o dia do Senhor vem, esta perto;            ISAIAS 2/1

Nenhum comentário:

Postar um comentário