.:GESE:.: PRESOS TRABALHAM NA RECUPERAÇÃO DE ORELHÕES TELEFÔNICOS EM MINAS GERAIS .

Adicionado 13/07/2012

domingo, 6 de setembro de 2015

PRESOS TRABALHAM NA RECUPERAÇÃO DE ORELHÕES TELEFÔNICOS EM MINAS GERAIS .



Foto: Osvaldo Afonso/ Imprensa MG
19/05/2015- Ribeirão das Neves- MG, Brasil- O Complexo Penitenciário Público Privado (CPPP), em Ribeirão das Neves, inaugurou, nesta terça-feira (19/5), mais uma oficina de trabalho e ressocialização para os detentos que cumprem pena na unidade. Presos do local agora podem trabalhar na reforma e recuperação de campânulas de telefone, também conhecidas como ‘orelhões’. A parceria foi firmada entre a Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi), da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), e o grupoTelemont Comunicações. A empresa investiu na construção de um galpão de 700m² em terreno dentro do Complexo.

Foto: Osvaldo Afonso/ Imprensa MG
19/05/2015- Ribeirão das Neves- MG, Brasil- De acordo com a Seds, trinta detentos executarão a recuperação dos orelhões, supervisionados por um profissional da empresa parceira. A diretora de Recursos Humanos da Telemont, Maria de Lourdes Aguiar, destacou que a ideia é chegar ao número de 100 presos trabalhando com uma jornada de 8 horas diárias. Ela também ressaltou que o material com que os presos trabalham é amplamente utilizado em várias atividades, facilitando na busca de um emprego depois do cumprimento da pena: “A fibra de vidro é versátil e utilizada na confecção de piscinas, brinquedos infantis, escorregadores, peças automotivas, etc”, apontou. Segundo o diretor de Trabalho e Produção da SUAPI, Guilherme Augusto Alves Lima, a transformação de cada detento só vai ocorrer por meio do investimento em educação e profissionalização e na preparação para a reintegração dos presos à sociedade. “A gente trabalha com o objetivo de transformar as vidas dessas pessoas que estão sob a nossa custódia nas unidades prisionais. As oficinas de trabalho são muito importantes nesse processo de qualificação”, enfatizou.

Foto: Osvaldo Afonso/ Imprensa MG
19/05/2015- Ribeirão das Neves- MG, Brasil- Utilizando o ditado de que “cabeça vazia é oficina do diabo”, o detento Aurelino Gomes ressaltou que o trabalho é muito importante para que o cumprimento da pena se torne mais leve e produtivo. “Quando estamos presos, a gente tem muito tempo para pensar. E pensamos em várias coisas, boas e ruins. Com o trabalho, o tempo passa mais rápido. Pra mim, o trabalho é uma terapia aqui dentro”, contou. Atualmente, são mais de 15 empresas instaladas no Complexo gerando mais de 500 empregos. O presidente da GPA (empresa privada parceira no CPPP), Rodrigo Gaiga, acredita que, através do investimento no trabalho, o retorno à liberdade do detento ocorrerá em uma condição melhor do que a de quando ele chegou à prisão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário